Acusada de tráfico que escapou de atentado em Curitiba terá prisão domiciliar

16/09/2022 Camila Marodim foi presa, em novembro de 2021, em uma operação da Polícia Militar

Presa por suspeita de comandar quadrilha de tráfico de drogas, Camila de Andrade Pires Marodim teve a prisão preventiva convertida em prisão domiciliar, com tornozeleira eletrônica nesta quinta-feira (14). Segundo os advogados, ela deve deixar o presídio na sexta-feira (15) pela manhã. Conforme o juiz Sergio Bernardinetti, a decisão levada em consideração a idade dos três filhos de Camila e o fato do pai das crianças ter falecido. Todos têm menos de 12 anos. Segundo a investigação, a quadrilha comandada por Camila Marodim contava com mais de 30 pessoas - entre elas, um adolescente - que auxiliavam no esquema de tráfico de drogas, porte ilegal de armas de fogo e lavagem de dinheiro. Em 31 de janeiro deste ano, Camila escapou de um atentado a tiros quando chegava em casa. Existe um processo em tramitação na Justiça que apura o atentado. Marodin foi presa 10 dias depois. Assista ao vídeo abaixo. O marido de Camila foi morto a tiros durante a festa de aniversário de um dos filhos do casal, em novembro de 2021, poucos dias antes de ela ser presa na operação da PM. “O juiz da causa restabeleceu o estado do Direito. Ela é detentora de toda condição e as crianças pequenas, que dependem dela como mãe, precisam desse auxílio. Decisão acertada”. afirmou o advogado Cláudio Dalledone, que defende a acusada.