Ataques aéreos de Israel matam ao menos 33 palestinos

16/05/2021


O número de mortos em Gaza chegou a 181, incluindo 47 crianças



Os ataques aéreos israelenses mataram 33 palestinos neste domingo, incluindo oito crianças, disseram autoridades sanitárias de Gaza, enquanto militantes dispararam uma nova rodada de foguetes contra Israel na primeira hora da manhã.


Sem sinais à vista de um final imediato para a pior eclosão de violência entre israelenses e palestinos em anos, o Conselho de Segurança da ONU se reúne para discutir as hostilidades.


O número de mortos em Gaza durante a noite chegou a 181, incluindo 47 crianças, em meio a intensos bombardeios aéreos e artilharia de Israel desde que o conflito eclodiu na última segunda-feira. Em Israel, morreram dez pessoas, incluindo duas crianças.


Os ataques antes do amanhecer tiveram como alvo casas no centro da Cidade de Gaza, disseram autoridades de Saúde da Palestina. Um porta-voz do exército israelense disse que examinaria esses relatórios.


Palestinos limpando os destroços de um prédio destruído pelos ataques aéreos recuperaram os corpos de uma mulher e um homem.


"São momentos de horror que ninguém pode descrever. Como se um terremoto tivesse atingido a região", disse Mahmoud Hmaid, pai de sete filhos que estava ajudando as operações de resgate.


No outro lado da fronteira, na cidade israelense de Ashkelon, Zvi Daphna, médico cujo bairro foi atingido por vários foguetes, descreveu um sentimento de "medo e terror".


O exército israelense disse que o Hamas, grupo islâmico que comanda Gaza, e outros grupos armados dispararam mais de 2.800 foguetes durante o conflito de seis dias.


O gabinete de Segurança de Israel se reuniu neste domingo para discutir os próximos passos, no momento em que há esforços diplomáticos tentam restaurar a calma.


O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse em um discurso pela televisão que "nossa campanha contra organizações terroristas continua com toda a força. Estamos agindo agora, pelo tempo que seja necessário, para restaurar a calma e a tranquilidade de vocês, os cidadãos de Israel. Vai demorar um pouco".