Biden e Scholz ainda veem situação da Ucrânia como preocupante

16/02/2022


Para eles, a região deve seguir sob observação



Após uma conversa por telefone entre Joe Biden e Olaf Scholz durante esta quarta-feira (16), o porta-voz do governo alemão Steffen Hebestreit informou que os dois líderes ainda acreditam que a situação da Ucrânia deva ser tratada como "extremamente séria".


É necessária "máxima vigilância", pois não houve retirada significativa das tropas russas até agora, disse Hebestreit em comunicado.


Durante a última terça-feira, o líder do governo da Alemanha visitou o presidente da Rússia, Vladimir Putin, e conversou com ele sobre a atual situação na fronteira com a Ucrânia.


Ao mesmo tempo, ambos os líderes dos EUA e da Alemanha saudaram a declaração do presidente russo, Vladimir Putin, de que os esforços diplomáticos devem continuar, disse o porta-voz, de acordo com a agência Reuters.


Segundo a declaração pública, Biden e Scholz acreditam que deve-se avançar na implementação dos Protocolos de Minsk, acordo firmado entre Rússia, Ucrânia, Alemanha e França para por fim nas nos confrontos na porção leste da Ucrânia.


O tratado foi assinado logo após a anexação da Crimeia por parte dos russos, em 2014, porém não foi completamente cumprido e recuou naquele que era seu principal objetivo, a paz entre os dois países.


Para alguns especialistas, Kiev vê que os acordos significam a restauração de sua totalidade na região; já para os russos, o acordo dá a eles a possibilidade de exercer poder de veto sobre o futuro da Ucrânia.