CiaSenhas abre seleção de textos inéditos de autoras brasileiras

02/06/2021


Textos selecionados serão gravados em Podcast por companhias curitibanas



A partir do dia 1 de junho de 2021, a CiaSenhas de Teatro abre a convocatória para o edital “CiaSenhas Aciona: Dramaturgas em Cena”que selecionará 20 textos inéditos produzidos por dramaturgas brasileiras. O edital fica disponível até 30 de junho para inscrições. Os textos selecionados serão gravados em formato Podcast por 5 companhias curitibanas e integrarão uma mostra que acontecerá em fevereiro de 2022.


A curadoria das dramaturgias será feita pelas autoras Dione Carlos, Lígia Souza e Sueli Araujo, enfocando relações e construções a partir da condição da mulher, bem como destacando ou projetando outras realidades possíveis no que tange as narrativas femininas hegemônicas. Será realizado um recorte do que mais potente tem sido produzido por mulheres nas cinco regiões do país. As escritoras contempladas pelo edital receberão uma ajuda de custo referente à participação no projeto.


Pesquisas afirmam que 67% dos livros publicado no Brasil são de autoria masculina, 28% de autoria feminina e 5% mista. Esse é um retrato evidente da falta de visibilidade que as mulheres possuem no movimento artístico brasileiro. A convocatória visa dialogar com a onda de resistência e afirmação das mulheres artistas brasileiras, colocando Curitiba na rota de discussões acerca da Dramaturgia de Mulheres no Brasil.


Para a segunda fase do projeto, a CiaSenhas convida 5 importantes grupos teatrais da cidade: Antropofocus, Súbita Cia. de Teatro, Grupo Obragem, Minha Nossa Cia. de Teatro e P.U.T.O, que gravarão os textos selecionados em formato de Podcast.


“CiaSenhas Aciona: Dramaturgas em Cena” acredita na necessidade e urgência deste chamamento, não somente por apresentar os textos de dramaturgas brasileiras à cidade, mas também por inserir discussões sobre a autoria feminina, as condições de trabalho das mulheres artistas, estimulando o avanço de produções escritas realizadas por mulheres no Brasil.


Com esta ação, o Brasil terá acesso a um repertório de escritoras e textos que alimentarão as possibilidades de diálogo e de discussão do universo feminino.Ao discutir a dramaturgia feminina de hoje, toda uma história do gênero é revista.


Durante a Mostra, em 2022, também acontecerão palestras e debates abordando temas como a dramaturgia feita por mulheres e as narrativas da oralidade, além do lançamento de um mini- documentário sobre o processo de criação do projeto.


Projeto realizado com recursos do Programa de Apoio de incentivo a Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba com incentivo da EBANX. Realização: CiaSenhas de Teatro.


SOBRE AS CURADORAS:

Dione Carlos é dramaturga, roteirista e atriz. Autora de dezesseis peças encenadas por diversas cias de teatro. Teve textos lidos e encenados em países como Portugal, Colômbia, México e Bélgica. Tem seis livros publicados, dentre eles: Dramaturgias do Front e Black Brecht - E se Brecht fosse negro?. Em 2019, representou o Brasil no Dia Internacional da Língua Portuguesa, na Grécia, em Atenas, onde palestrou no Museu da Acrópole. Ministra oficinas de dramaturgia. Em 2020, foi selecionada para o Laboratório de Narrativas Negras da FLUP/GLOBO, passando a dedicar-se, também, à escrita de roteiros para o audiovisual.


Lígia Souza, dramaturga, pesquisadora e professora. É doutora em Artes Cênicas pela USP – Universidade de São Paulo e Mestre em Literatura pela Universidade Federal do Paraná. Professora de dramaturgia no curso técnico em atuação da Fundação das Artes de São Caetano do Sul. Coordenadora do Núcleo de Dramaturgia do SESI Paraná. É autora de Penélope, O nome das coisas, Outros Sons, Para Ler aos Trinta e outros textos. Idealizadora da lalettre espaço de criação.


Sueli Araujo é dramaturga e diretora teatral. É uma das Fundadoras da CiaSenhas de Teatro, companhia com 22 anos de atuação, onde escreve e dirige os espetáculos do grupo em processos compartilhados de criação. É professora no Curso de Bacharelado em Artes Cênicas da Unespar-FAP. Em seus trabalhos tem se dedicado a investigar procedimentos poéticos que incluem o espectador na encenação.