Com nova fábrica da Fiocruz, Curitiba avança para se tornar polo de inovação

06/08/2022


Desde o início da pandemia, o IBMP produziu mais de 35 milhões de testes rápidos entregues ao SUS



O prefeito Rafael Greca participou, na noite desta sexta-feira (5/8), no Clube Curitibano, da comemoração do aniversário do Instituto de Biologia Molecular do Paraná (IBMP), criado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e pelo Governo do Estado do Paraná para atuar no desenvolvimento tecnológico, inovação e produção industrial de soluções para a saúde. Greca destacou trabalho do IBMP durante a pandemia e o investimento na nova unidade de biotecnologia na Cidade Industrial de Curitiba (CIC), que vai produzir insumos para vacinas e terapias avançadas em câncer.


"Eu vim aqui marcar a inauguração da feliz ideia de uma nova planta industrial de ponta, com investimentos superiores a R$ 100 milhões. Curitiba está orgulhosa em receber o novo projeto, que reflete o bem que queremos à nossa gente e nossa terra. Mais saúde e proteção para nossas vidas. A nova planta do instituto vai contribuir para que a nossa CIC avance para se tornar um polo de empresas de inovação", disse o Prefeito.


O vice-presidente de produção e inovação em saúde da Fiocruz, Marco Aurélio Krieger, que no evento representou a presidente da empresa, Nísia Veronica Trindade Lima, ressaltou o papel do IBMP durante a pandemia de Covid-19. "O instituto teve uma atuação exemplar, reconhecido pela sociedade paranaense e brasileira. O IBMP é hoje considerado a joia da coroa da Fiocruz, que passa a olhar essa operação como modelo do seu próprio desenvolvimento", afirmou.


Desde o início da pandemia, o IBMP produziu mais de 35 milhões de testes rápidos entregues ao SUS, por meio da Fiocruz, e, em tempo recorde, atuou no desenvolvimento e produção do teste molecular, utilizado como contraprova na confirmação do primeiro caso no Brasil. Também implantou a unidade de testagem molecular da Covid-19 no Paraná, responsável por processar mais de 3,5 milhões e meio de amostras.


"O IBMP nasceu já com o DNA da inovação que é marca da Fiocruz desde a sua fundação. A inovação é um processo sistêmico, que precisa ser alimentado com fomento, proteção e acesso a mercados. Curitiba tem tudo para ser um polo de ciência e tecnologia. Até 2023 vamos dobrar a capacidade, com investimentos de cerca de R$ 150 milhões, com duas ou três novas plantas, com produção de insumos estratégicos para vacinas e terapias de câncer, que hoje não são feitas no Brasil, que dependem de importações", disse Pedro Ribeiro Barbosa, diretor-presidente do IBMP.


Nesta sexta-feira, o IBMP comemorou a fundação (1999) e a implantação da unidade em Curitiba (2009). A unidade de produção foi a primeira fora do Rio de Janeiro da Fiocruz, que ontem também celebrou os 150 anos do nascimento do cientista Oswaldo Cruz, seu fundador. Médico, bacteriologista epidemiologista e santarista, Cruz foi pioneiro no estudo de moléstias tropicais no Brasil. "Oswaldo Cruz derrotou a morte, com a grandeza de um Brasil que ousa pensar, que faz da inteligência um ofício e homens e mulheres de bem. E provou que a inovação só faz sentido quando se transforma em processo social", destacou Greca.


Nova fábrica


O IBMP está adquirindo a área da Curitiba S.A. no Parque da Saúde CIC para construir uma planta industrial para a produção de insumos para vacinas e para terapias avançadas em câncer. Serão duas plantas da área de biotecnologia na CIC. Uma é destinada ao desenvolvimento e produção de vacinas e insumos para terapias avançadas a partir de terapia gênica (que utiliza vetores, como moléculas de DNA do agente infeccioso para dentro da célula humana, para criar anticorpos). A outra planta será para o desenvolvimento e produção de novos medicamentos para doenças autoimunes a partir de proteínas terapêuticas, em uma estrutura inédita no país.


Também estiveram presentes ao evento, o secretario de Estado da Saúde, Cesar Augusto Neves Luiz; a presidente da Agência Curitiba de Desenvolvimento e Inovação, Cris Alessi; o vice-presidente de gestão e desenvolvimento institucional da Fiocruz, Mario Santos Moreira; o diretor presidente do Tecpar, Jorge Augusto Callado; o diretor do instituto Carlos Chagas/Fiocruz, Stênio Fragoso, demais diretores do IBMP e colaboradores do instituto.