Começam audiências sobre caso do massacre em posto de combustível em Curitiba

29/09/2022


Policial Federal entrou atirando e matou uma pessoa



Começaram nesta quarta (28) as audiências de instrução que vão definir se o policial federal Ronaldo Massuia irá a júri popular pela morte do fotógrafo André Fritoli e pela tentativa de homicídio contra sete outros clientes no caso que ficou conhecido como o “massacre no posto de gasolina” . As audiências de instrução serão realizadas pela juíza Mychelle Pacheco Cintra, da 1ª Vara Privativa do Tribunal do Júri da capital e ouvirá 16 testemunhas de acusação e 18 de defesa.


Massuia responde por homicídio triplamente qualificado pela morte do fotógrafo e por sete tentativas de homicídios, também triplamente qualificados, por motivo fútil, perigo comum e dificuldade de defesa da vítima. Ele estava em um carro e usava uma arma da Polícia Federal.


Segundo informações do inquérito policial, o agente federal Massuia havia chegado ao posto na noite de 1 de maio e, após se desentender com um grupo de pessoas, incluindo um segurança do estabelecimento, sacou a arma e começou a atirar. André Muniz Fritoli, de 32 anos, morreu durante o atendimento do Siate e outras duas pessoas ficaram feridas.