Contas externas registram déficit de US$ 2,8 bilhões em março

25/07/2022


Reservas internacionais caem US$ 4,6 bilhões em um mês



As contas externas brasileiras registraram déficit de US$ 2,8 bilhões em março. Em março do ano passado também foi registrado déficit de US$ 5,2 bilhões nas contas que representam as compras e vendas de mercadorias, serviços e transferência de renda com outros países.


Divulgadas hoje (25) pelo Banco Central, as estatísticas do setor externo referentes ao mês de março mostram que, na comparação interanual, “houve aumento de US$ 6,6 bilhões no saldo da balança comercial de bens, parcialmente compensado pelas elevações de US$ 2,8 bilhões no déficit em renda primária e de US$ 1,1 bilhão no déficit em serviços”.


Ainda de acordo com a autoridade monetária, o déficit em transações correntes nos 12 meses encerrados em março ficou em US$ 23,5 bilhões, valor que corresponde a 41% do Produto Interno Bruto (PIB, a soma dos bens e dos serviços produzidos no país).


Em fevereiro, o déficit estava em US$ 26 bilhões (1,59% do PIB); e em março de 2021 estava em US$ 22,8 bilhões (1,62% do PIB).


Bens

Com relação à balança comercial de bens, o Banco Central registrou, em março, superávit de US$ 6,1 bilhões. No mesmo mês de 2021, o saldo estava negativo em US$ 514 milhões.


Segundo o BC, as exportações de bens ficaram em US$ 29,7 bilhões, enquanto as importações somaram US$ 23,6 bilhões. Esses valores representam, respectivamente, alta 21,1% e redução de 5,8% em comparação a março de 2021.


As importações no âmbito do Regime Aduaneiro Especial para Bens destinados às Atividades de Pesquisa e de Lavra das Jazidas de Petróleo e de Gás Natural (Repetro) totalizaram US$153 milhões em março (US$ 6,5 bilhões em março de 2021).


“Excluindo-se as operações do Repetro, a comparação interanual das importações registrou incremento de 26,3%”, disse o BC.


Serviços

Com relação à conta de serviços, o déficit registrado em março aumentou 106,8% na comparação com o mesmo mês de 2021, ficando em US$ 2,2 bilhões. Já a conta de viagens internacionais registrou despesas líquidas de US$ 648 milhões no mês, ante US$ 100 milhões em março de 2021.


“Na mesma base comparativa, e seguindo tendência dos meses recentes, os fluxos brutos de receitas de viagens expandiram 112,2%, totalizando US$ 453 milhões, e as despesas de viagens cresceram 251,8%, somando US$ 1,1 bilhão”, detalha a autoridade monetária.


Ainda segundo as estatísticas do setor externo, as despesas líquidas de transportes somaram US$ 428 milhões em março de 2022, ante US$ 253 milhões em março de 2021. Aluguel de equipamentos registrou despesas líquidas de US$ 651 milhões, valor que representa aumento de 14,8%, tendo como base de comparação março de 2021.


A conta de renda primária teve déficit 68,5% maior do que registrado em março do ano passado, totalizando US$ 7 bilhões. Já as despesas líquidas de lucros e dividendos aumentaram para US$ 5 bilhões, ante US$ 2,8 bilhões em março de 2021, “impulsionadas pelo acréscimo de US$ 2 bilhões nas despesas brutas”.


Segundo o BC, as despesas líquidas com juros somaram US$ 2 bilhões em março de 2022. No mesmo mês de 2021, essas despesas estavam em US$ 1,3 bilhão.


Ingressos líquidos

Em março de 2022, US$ 7,6 bilhões entraram no país por meio de investimentos diretos (IDP), valor superior aos US$ 7 bilhões em ingressos líquidos para esse tipo de investimento, registrados em março de 2021.


“Houve ingressos líquidos de US$ 6,2 bilhões em participação no capital e de US$ 1,4 bilhão em operações intercompanhia”, detalha a autoridade monetária. Segundo o BC, no acumulado de 12 meses encerrados em março, o IDP totalizou US$ 51,2 bilhões (3,08% do PIB), ante US$ 50,7 bilhões (3,11% do PIB) no mês anterior; e aos US$ 44 bilhões (3,12% do PIB) de março de 2021.


“Os investimentos em carteira no mercado doméstico totalizaram saídas líquidas de US$ 5,5 bilhões em março, compostos por saídas de US$ 6,6 bilhões em títulos de dívida e ingressos de US$ 1,1 bilhão em ações e fundos de investimento. Nos 12 meses encerrados em março, os investimentos em carteira no mercado doméstico somaram ingressos líquidos de US$ 19,8 bilhões”, disse o BC.


Reservas internacionais

As reservas internacionais do país diminuíram US$ 4,6 bilhões de fevereiro para março, ficando em US$ 353,2 bilhões.


Segundo o BC, o resultado decorreu, principalmente, “das variações por paridades e por preços”. A receita de juros somou US$ 481 milhões no mês.


Fonte: Agência Brasil