Coritiba tem R$ 114,2 milhões em dívidas

16/03/2022


Em pedido de recuperação judicial, Coxa expõe débitos



O pedido de recuperação judicial, realizado na segunda-feira, expôs detalhadamente as dívidas do Coritiba. O clube paranaense citou um valor de R$ 114,2 milhões em débitos, que variam entre clubes, empresários, jogadores e empresas.


A maior dívida é de R$ 28 milhões com a Protork, empresa que reformou e dá nome a um dos setores do estádio Couto Pereira. Francisco Alberto Vieira de Araújo, presidente do clube entre 2001 e 2002, cobra um empréstimo de R$ 7,1 milhões.


O escritório de advocacia Ferrari Turra, Bona Turra tem R$ 3,9 milhões a receber em serviços, assim Alvarez & Marsal Consultoria. O dentista bilionário Geninho Thomé tem um débito de R$ 1,25 milhão. O seu filho, João Alfredo De Paula Thomé, aguarda por R$ 833,3 mil - a dupla em empréstimo.


Entre os jogadores, as maiores quantias devidas são com Lincoln (R$ 6,6 milhões), Alecsandro (R$ 3,2 milhões), Caio (R$ 2,3 milhões), Matheus Galdezani (R$ 1,9 milhão), Rafinha (R$ 1,2 milhão), Vanderlei (R$ 1,1 milhão), Rafhael Lucas (1 milhão) e Wilson (R$ 962 mil).


Outros dois atletas chamam a atenção: o lateral-direito Léo, que teve passagem em 2017, cobra R$ 955 mil, enquanto o meia Caio ficou no Alto da Glória entre 2005 e 2007 e tem R$ 2,3 milhões a receber.


O técnico Paulo Cezar Carpegiani também tem alta quantia, de R$ 5,1 milhões contra o Coxa, e o preparador físico Glydiston Ananias aguarda R$ 1,9 milhões em dívida. O treinador Marcelo Oliveira tem valor de R$ 1,8 milhão.