Cultivo de tilápia em sistema superintensivo chega à região de Curitiba

10/11/2021


Os tanques elevados ficam em estufas com temperatura controlada entre 27/28 graus


Crédito: SEAB

O clima frio da região de Curitiba não foi obstáculo para o sonho do advogado e ex-procurador jurídico Edson Henrique Amaral e de sua mulher, a enfermeira Milene Melo Amaral. Ambos deixaram os cargos públicos e se mudaram de Campina da Lagoa, no Oeste do Paraná, para Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba, onde começam a criar peixe em sistema superintensivo.


Na empresa Villa Peixes, os produtores instalaram oito tanques elevados, feitos em geomembrana, com capacidade para 40 mil litros de água cada um, e outros seis, que acumulam 100 mil litros. No total, são 920 metros quadrados de água, com previsão de produzir 60 quilos de peixe em cada metro quadrado. A maior produção será de tilápias, mas também haverá alguns exemplares de pintado, pirarucu e dourado.


“É um projeto inovador, que tem a pretensão de fazer a expansão da produção de várias espécies, especialmente tilápias, em tanques com controle de temperatura, com controle de qualidade de água, com alto desempenho”, disse o secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara. Ele conheceu a propriedade nesta quarta-feira (10). “O sistema está bem desenhado, promete entregar bons resultados”.


O secretário iniciou conversas com o presidente da cooperativa Copasol Trentina, Fausto Katsumi Takemura, para estabelecer parceria e expandir o modelo, inclusive com a possibilidade de instalar frigorífico e uma linha de abate. “Estou surpreso com a alta tecnologia empregada e alta densidade de peixes por metro quadrado, prometendo bons resultados tanto na qualidade do produto quanto financeiro para quem está investindo no modelo”, afirmou Ortigara.


SUSTENTABILIDADE - Por enquanto, apenas 315 alevinos de pintado foram colocados em um tanque, mas, a partir deste sábado (13), começa o povoamento com tilápias. Inicialmente, com 15 mil alevinos, mas com reforço de outros 20 mil já em dezembro. Os tanques elevados ficam em estufas com temperatura controlada entre 27/28 graus. Para isso, a propriedade usa 100% de energia solar, o que garante economia de R$ 8 mil ao mês.


Segundo Edson Amaral, a percepção de que o setor alimentício foi um dos poucos a se salvarem durante a pandemia fez com que a família tornasse realidade o sonho construído há algum tempo. “Nós criamos este sistema superintensivo, em que o peixe não tem contato com terra, barro, nada que possa contaminar, e se desenvolve rápido”, disse. No sistema tradicional, a despesca é feita entre oito ou nove meses. “Aqui consegue tirar tilápia de 900 gramas a 1 quilo com quatro ou cinco meses, então projetamos tirar 15 mil quilos de peixe vivo por mês”, afirmou.


O proprietário salientou, também, os aspectos de sustentabilidade empregados. “O peixe é totalmente saudável porque você controla o ambiente, a água, controla a ração com 48% de proteína, controla a temperatura, tem um sistema com estufa e não agride o meio ambiente porque recircula toda a água”, disse. Para manter a qualidade da água, está sendo montado um laboratório de análises.


MERENDA ESCOLAR - A água que enche os tanques foi retirada de cavas de areia da região de Curitiba. Uma nova troca será feita daqui a cinco anos. Até lá, passa por sistema de filtragem totalmente biológico, sem necessidade de ser recolocada em rios e nem no solo. “O pouco de água que sai do sistema com dejetos dos peixes vai servir para adubar o cultivo de morango que vamos fazer aqui”, adiantou.


Segundo Amaral, o objetivo é participar da cadeia de alimentação do Estado e passar a fornecer também para a merenda escolar. “Para nós é uma honra muito grande ter um projeto-piloto dessa natureza e fazer com que o Estado, já reconhecido como um dos maiores do Brasil na produção de peixe, se torne ainda mais”, afirmou. “Percebemos que o governo Ratinho Junior tem incentivado, tem buscado parceria e pretendemos ser um desses parceiros para o Paraná ser cada vez mais reconhecido em produção totalmente sustentável”, acrescentou.


De acordo com o levantamento feito pela Associação Brasileira de Piscicultura, dentro do anuário PeixeBR, o Paraná é o principal produtor brasileiro de tilápias, com 166 mil toneladas produzidas em 2020. O resultado é 135% superior à produção de São Paulo, segundo colocado com 74.600 toneladas. A estimativa do secretário Norberto Ortigara é que a produção cresça entre 10% e 15% ao ano.