Curitiba fecha 2021 com chuvas abaixo da média histórica

04/01/2022


As chuvas ainda não foram suficientes para acabar com o rodízio



Aos poucos a chuva volta a fazer as pazes com Curitiba. Após uma severa estiagem, que culminou com a formalização da situação de emergência hídrica por parte do Governo do Estado em maio de 2020, a cidade dá sinais de caminhar para um estágio de normalidade. O acumulado em 2021 ficou em 1.091 milímetros (mm), ainda abaixo da média histórica, de 1.416,6 mm, mas com indicadores mais próximos da realidade.


Os níveis das barragens que abastecem a população da Região Metropolitana de Curitiba (RMC), por exemplo, subiram consideravelmente. Se no período mais crítico da seca, em meados de 2020, o volume médio dos reservatórios chegou a bater na casa dos 30%, atualmente aponta para 67,65% – Iraí (64,95%), Passaúna (58,96%), Piraquara 1 (75,82%) e Piraquara 2 (86,38%), de acordo com a Sanepar (Companhia de Saneamento do Paraná).


A Capital superou a média histórica de chuvas em quatro oportunidades no ano passado – janeiro (+9%), maio (+39%), agosto (+26%) e outubro (+7,5%). Em outros três meses ficou bem próximo ao ideal – março (84%), junho (89%) e dezembro (94%). O levantamento é do Simepar (Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná).