Djokovic diz ter sido humilhado na Austrália

25/02/2022


Tenista acusa TV de cortes em entrevista



Novak Djokovic disse, nesta sexta-feira, ter sido humilhado na Austrália após o episódio em que foi deportado e impedido de competir no Aberto do país por se recusar a tomar a vacina contra a Covid-19, em janeiro deste ano. O sérvio também acusou a rede britânica de TV BBC de ter cortado falas importantes na entrevista que concedeu ao canal, quando alegou que não se considerava antivacina, apesar de estar disposto a perder torneios caso o imunizante seja obrigatório.


Djokovic reclamou que a BBC não incluiu os argumentos dele que o comparava com outros dois membros que estavam na mesma situação do sérvio, mas que foram autorizados a participar do Australian Open.


"Dez dias antes de mim, uma tenista tcheca e um técnico croata entraram na Austrália com a mesma isenção médica (da vacinação). Ela jogou um torneio, ele treinou seu jogador sem nenhum problema. De repente eu venho e há um problema. Por quê?", disse se referindo a Renata Voracova e Filip Serdarusic, que foram deportados logo depois de Djokovic.


Abalado, Novak relembra o momento em que foi levado pela Imigração e diz que se sentiu humilhado com a situação.


"Não posso apagar da minha memória o que aconteceu. Tudo é tão fresco. Houve outras coisas que me abalaram que não consigo esquecer", afirmou o atleta.


Na entrevista apresentada pela BBC, Djokovic disse não ser contrário à vacinação mas que, pelas informações que havia obtido, decidiu não se vacinar. Ele ainda afirmou que não pretende se vacinar, mas teme pela proibição de competir em futuros torneios.


"Este é o preço que estou disposto a pagar. (...) Nunca fui contra a vacinação, mas sempre apoiei a liberdade de escolha do que você coloca no seu corpo. Os princípios de decisão sobre o meu corpo são mais importantes do que qualquer título ou qualquer outra coisa. Estou tentando ficar em sintonia com meu corpo tanto quanto for possível", disse, em entrevista exclusiva à rede britânica BBC.


Nesta quinta, o sérvio perdeu seu posto número 1 no ranking mundial para russo Daniil Medvedev. Djokovic também tem como objetivo igualar os 21 Grand Slam de Rafael Nadal.