Enfermeiros fazem paralisação de 24 horas

21/09/2022


O movimento pede apoio e esclarece a população sobre a importância da valorização da enfermagem



Trabalhadores de enfermagem dos principais hospitais de Curitiba e região fazem mobilização de 24 horas nesta quarta-feira, 21 de setembro. O movimento é nacional e, segundo o Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Curitiba e Região (Sindesc), na capital paranaenses os profissionais farão uma greve de 24 horas nos hospitais da cidade e região metropolitana.


No Hospital Pequeno Príncipe, 45 cirurgias eletivas foram adiadas. Conforme a assessoria, a adesão dos profissionais ao movimento é de 50% no Centro Cirúrgico e de 26% no restante do Hospital.


O Hospital Nossa Senhora das Graças informou que a unidade está se “organizando internamente com uma média de 75% do quadro de enfermagem”, nesta quarta.


Os atendimentos não foram afetados nos hospitais: Cajuru, Marcelino Champagnat, São Vicente, Angelina Caron, na Santa Casa de Curitiba, no Hospital do Trabalhador e no Hospital do Idoso Zilda Arns.


Mobilização


O Sindesc, que representa a categoria do setor privado e filantrópico, afirma que a paralisação começou às 6 horas desta manhã e se estenderá 24 horas. A fim de assegurar o atendimento e funcionamento dos serviços essenciais, será mantido um efetivo de 30% dos trabalhadores, conforme determina a legislação.


Uma barraca foi montada Rua XV de Novembro e outra em frente ao Hospital Evangélico, local onde se espera ter a maior concentração de profissionais.


No final do dia deve haver um grande ato de mobilização de toda a enfermagem na Boca Maldita a partir das 17 horas. O movimento pede apoio e esclarece a população sobre a importância da valorização da enfermagem. Haverá uma caminhada partindo da Boca Maldita até a Santa Casa de Misericórdia de Curitiba, Praça Rui Barbosa onde se encerrará o ato da enfermagem.